novembro 27, 2008

4 meses depois….

Posted in Uncategorized às 7:11 pm por tecnologiaparadoxal

Ufaaaaa!!! fim do blog. Sensação de alívio por saber que junto com ele, mais um semestre termina e melhor ainda…. em breve estaremos de Férrrrriiiiiiiasssssssssssssssss !!!!

A experiência de ter um blog foi ótima para mim, apesar dos posts terem ficado meio desaparecidos ultimamente!

Essa experiência foi boa pois, apesar das tarefas serem SIM obrigatorias para mim elas não foram. Não encarei o blog como obrigação, nada seria muito produtivo se funcionasse dessa maneira. Sem motivação e sem vontade, os textos ficariam ruins e vagos. Fazer por fazer não ta com nada!Por isso, vim aqui para escrever somente sobre os assuntos que me interessavam.

Foi ótimo escrever aqui e aprender! 

Obrigada ao querido professor Eric Messa!!!! ( já que eu não posto muito, é bom aproveitar esse último post neh  hahahahaha)

 

bjaaaaaaaaooo a todos!

novembro 7, 2008

Gastrô Gourmet- estratégias de comunicação

Posted in Uncategorized às 12:18 pm por tecnologiaparadoxal

O restaurante Gastrô Gourmet, é um lugar que oferece opções diferenciadas e por isso recebe destaque no mercado.

                Um dos diferenciais do restaurante é o fato de que você pode acompanhar o “Chef” preparando sua comida. Dessa forma, você pode aprender as deliciosas receitas oferecidas pelo restaurante.

                Além disso, o restaurante oferece cursos de culinária fundamental ou cursos Express. No curso de culinária fundamental, você terá 5 aulas praticas, 1 aula teórica sendo 2 dias por semana com 3 horas de duração cada aula. O curso Express é mais rápido com apenas 3 horas de duração, nele você aprende a preparar pratos exóticos.

                O Gastrô também abre espaço para crianças e adolescentes criativos . O restaurante abre espaço para os pequenos Chefs, com duas opções: Festa de Aniversário ou Mini-Curso, que ensinará técnicas básicas e adequadas para a idade do seu filho. Ele aprenderá pratos rápidos e dicas de como se virar, além de novas e deliciosas invenções. Tudo muito interativo, onde as idéias deles também podem virar receitas.

                Para promover o restaurante e torná-lo mais popular e conhecido desenvolvemos 2 estratégias de comunicação: Construção de Hotsite para o restaurante e criação de comunidade no Orkut.

                O Hotsite seria feito em 3D, mostrando o espaço interno do restaurante bem como a cozinha, o salão principal e ate mesmo o banheiro do restaurante. Também seriam postados vídeos com imagens dos Chefs preparando os pratos, mostrando as novidades da semana bem como novas receitas.

                No site, colocaríamos uma promoção na qual os usuários deveriam mandar vídeos preparando suas receitas. A melhor delas seria divulgada no site e também, o vencedor seria convidado a prepará-la no restaurante para alguns Chefs renomados.

                Além disso, uma vez ao mês, seria divulgada uma palavra chave no site. Se o consumidor chegasse ao restaurante e falasse a palavra chave do mês, ele ganharia ou uma sobremesa ou 15% de desconto. Isso seria valido apenas para os 30 primeiros consumidores que falassem a palavra chave.

                Através dessas promoções, o consumidor se sentiria mais motivado a freqüentar o restaurante e também o Hotsite.

                No Hotsite, deixaríamos o link da comunidade do restaurante criada no Orkut.

                A comunidade no Orkut, receberia o nome de “ Espaço Gatrô Gourmet” , onde os consumidores estariam abertos para dar sua opinião (sugestões e criticas ) a respeito do restaurante.

                Nela, constaria o endereço, o telefone do restaurante e o Hotsite, assim como a agenda do mês com o que será preparado cada dia.

                Através dos usuários que adicionassem a comunidade, poderia ser feito um banco de dados para que fosse possível o envio de emails com informações e promoções do restaurante.

Para tornar o Hotsite mais conhecido, divulgaríamos o mesmo em uma comunidade criada especificamente para o restaurante no Orkut.

novembro 1, 2008

A Era da exposição.

Posted in Uncategorized às 1:42 pm por tecnologiaparadoxal

Com base no texto “Vivemos em plena era da exposição- Eric Eroi Messa” podemos perceber que os avanços tecnológicos e suas inovações principalmente nos meios virtuais, nos tiraram da Era da imagem, a qual valorizava a forma e o design dos objetos, para entrar em uma nova era chamada de a Era da Exposição.

            Nessa Era da exposição, o receptor começa a entender que pode ser fornecedor de informação também. Ao entender esse sistema de comunicação bi-direcional, o usuário sentiu-se motivado a criar sua “home Page pessoal”, blogs e hoje á participar das famosas redes sociais como o Orkut, facebook, Myspace entre outros.

            Essas redes sociais são vistas como o auge da exposição virtual. Isso porque, nelas são encontradas opiniões pessoais, gostos, preferências e até suas características pessoais como idade, região na qual mora, colégio no qual já estudou. O limite entre publico e privado foi totalmente modificado.

            Contudo, o usuário deve ter bom-senso na hora de partilhar suas informações pessoais com uma rede gigantesca de pessoas. Há pouco tempo atrás, foram veiculadas inúmeras reportagens de usuários que haviam sido assaltados e ate mesmo seqüestrados devido a informações que esses assaltantes capturavam em paginas como o Orkut por exemplo.

            Devemos ser cautelosos e prezar menos a exposição de nossas vidas a proteção e mais a proteção da mesma.

setembro 27, 2008

Blip: o que você está ouvindo?

Posted in Uncategorized às 2:30 am por tecnologiaparadoxal

Ao abrir minha caixa de e-mail para ver qual seria a tarefa dessa semana me deparei com um assunto totalmente estranho para mim. Nunca havia ouvido falar do site Blip. FM! O que fazer agora? O primeiro passo foi entrar no site, porém continuei com a mesma sensação de desconforto para falar sobre o assunto. Dessa forma, decidi me inscrever no site para aprender o funcionamento do mesmo de forma ativa.

 

O Blip é um site que funciona como uma rede social no qual você se torna uma espécie de DJ. Após a inscrição você deve digitar alguns artistas dos quais você gosta. De acordo com o seu gosto musical, o site te mostra o perfil de outros usuários que possuem um gosto musical similar ao seu. Para falar bem a verdade, Blip pra mim se define de uma só forma: uma espécie de Orkut musical no qual os usuários são agrupados de acordo com seu estilo/interesse musical, independente de você conhecer ou não as pessoas que ali estão.

 

O Blip também pode ser visto como um tipo de miniblogging para “DJs”, aonde é permitida a publicação de músicas através de notas rápidas e também a construção sua própria estação de radio on-line.

Para quem deseja mais infamações fica aqui minha dica de um Blog relacionado ao assunto.

http://gegenteil.wordpress.com/2008/09/24/sobre-o-blipfm/

setembro 26, 2008

FEED/RSS

Posted in Uncategorized às 1:46 pm por tecnologiaparadoxal

O termo Feed é um tipo de acessório do sistema que também é conhecido como “RSS” (Really Simple Syndication que é o código do Feed). Eles são usados para que o internauta possa acompanhar os novos artigos e outros conteúdos de um site ou blog sem que precise visitar o site em si. O sistema funciona com um formato de uma caixa de email, à medida que as notícias vão se atualizando, recebemos links mostrando o conteúdo dos sites escolhidos.

Esse sistema é uma forma fácil e rápida de manter-se informado. Em um mundo globalizado, recebemos tantas informações que muitas vezes não conseguimos associa- las corretamente. Com o uso dos Feeds, as noticias aparecem e você pode optar por ler as que mais acharem interessante dos sites escolhidos, sem precisar ficar trocando de site. É uma forma cômoda e simples de receber noticias e de se atualizar.

A desvantagem é que os feeds nos mostram apenas as principais noticias dos sites, fazendo com que as outras, muitas vezes, passem despercebidas.

De acordo com a autora Lúcia Santaella, o usuário dos feeds poderia ser considerado como um leitor imersivo. Isso porque, eles selecionam o tipo de conteúdo que querem ler e ao mesmo tempo, à medida que entram em um site, devem construir a própria leitura. Os outros dois tipos de leitores descritos pela autora são os leitores contemplativos, que seriam os leitores passivos, aqueles que apenas recebem o conteúdo e não participam na construção da leitura, como por exemplo, os espectadores do cinema e teatro. E por último, o chamado leitor moderado que é aquele que assiste ao conteúdo e tem a possibilidade ou não de participar ativamente na construção de uma nova linguagem.

setembro 13, 2008

Semana de comunicação – idéia como produto.

Posted in Uncategorized às 3:15 pm por tecnologiaparadoxal

Essa semana, do dia 15 ao 19, acontecerá a 31 semana de comunicação na FAAP, uma forma de aprendizado menos didática e super importante para quem pretende seguir no mercado publicitário.
Uma das palestras que na minha opinião será imperdível será a palestra dada por Fabiano Coura, Diretor de Planejamento da Neogama/BBH, que tem em seu curriculo o trabalho em agências como a Fábrica Comunicação Dirigida e a Modem Media.Todo esse crescimento no Mercado e vasta experiência, fez com que hoje ele se tornasse o Diretor de Planejamento da Neogama/BBH.
A palestra, que recebe o nome de “comunicacão que nao parece comunicacão” fala sobre das mudanças da forma do consumidor na hora de consumir produtos, devido ao avanço e as mudanças de meios de convencer o consumidor a realizar a compra. Com isso, os consumidores estão aprendendo a ignorar o trabalho publicitário, sendo necessário ir além da “sacada” criativa e inovar para vencer nesse Mercado tão competitivo.
A semana de comunicação é uma boa forma de evoluir seus conhecimentos e lhe ajudar a entender melhor as transformações do mercado. Ela contará com mais varias palestras, com profissionais experientes no assunto que tem total propriedade para isso. Venha e participe.

setembro 5, 2008

Mistura de cores, signos e sensações

Posted in Uncategorized às 10:44 pm por tecnologiaparadoxal

O intuito do post de hoje é analisar os diferentes tipos de signo e consequentemente o impacto que cada um causa em nós, espectadores/leitores. Segundo Pierce ‘’signo, é tudo aquilo que significa algo para alguém ’’ e para que possamos conhecer melhor os signos, devemos entendê-los em sua profundidade conhecendo as 3 fases dos signos denominadas: primeiridade, secundidade e terceiridade.

A primeiridade é o impacto que algo te causa, aquela primeira impressão sem conhecimento profundo do texto. A secundidade por sua vez ocorre quando o observador já faz uma relação entre aquilo que esta vendo e alguma experiência vivida anteriormente. E por fim, a terceiridade é reflexão e interpretação do signo de forma consciente e racional.

Essas 3 fases também são conhecidas como processo de contemplação do signo e em cada uma delas a experiência sensível do observador é diferenciada.

Em fotos abstratas, como esta que estou postando hoje, perdemos mais tempo na primeiridade e na secundidade, pois sofremos um impacto por ver cores fortes e formas não identificadas e gastamos um bom tempo tentando entende-la.

 

Podemos concluir dizendo que a primeiridade é a fase do impacto, da sensação. Por mais que você não entenda a figura que esta observando, ela te traz sensações diferentes principalmente devido ao uso de diferentes cores que trazem diferentes sensações e associações. Quando você começa a buscar uma identificação começa a secundidade. O que seria essa imagem? Uma mosca, um filme queimado?????? Esse momento é importantíssimo para que entremos na teceridade onde temos certeza daquilo que estamos vendo. Lembrando sempre que a passagem de uma fase para a outra é algo muito rápido e, portanto imperceptível.

 

agosto 30, 2008

Hipermídia e inter-ação.

Posted in Uncategorized às 3:20 pm por tecnologiaparadoxal

Há algum tempo atrás a comunicação de massa era uma comunicação individualizada, mas devido aos avanços tecnológicos, esse tipo de comunicação foi perdendo lugar para outro: a comunicação interativa.

Os meios digitais estimulam o desejo pela produção do conteúdo o que fez com que hoje, a separação entre emissor, canal e receptor tenha mudado em grande escala. O receptor sai da posição passiva na qual vivia e passa a ser participante ativo passando a ter a capacidade de ser emissor também. O próprio Blog, no qual escrevo agora é um exemplo disso. A este processo damos o nome de hipermídia.

Um exemplo conhecido por todos, onde esse processo de interatividade é claro é o programa Big Brother. 12 participantes aceitam ficar trancados em uma casa por três meses e deixam suas vidas nas mãos do publico, pois são eles que, através de ligações ou votações pela internet, vão decidir quem será o futuro novo bilionário.

Este programa é um exemplo hipermidiático, pois envolve três meios de comunicação, a televisão, o telefone e a internet, e possibilita que o receptor participe ativamente, passando a ser emissor, pois interage com um conteúdo virtual.

Como já disse Marshall Berman “tudo que é solido se desmancha no ar”, nada tem tempo de se ossificar nos tempos modernos, por isso, só nos resta esperar para ver qual o novo tipo de comunicação que surgirá para que este seja substituído.

agosto 15, 2008

Análise do texto “A urgência de uma filosofia da fotografia”, Vilém Flusser

Posted in Uncategorized às 12:26 am por tecnologiaparadoxal

Vilém Flusser foi um filosofo tcheco que se propos a fazer uma investigação crítica e racional de alguns princípios fundamentais relacionados a vida dos seres humanos, tomando como exemplo a fotografia.

Segundo Flusser, os homens funcionam apenas como funcionários da tecnologia.Isso porque, todos nós usamos a tecnologia de maneira redundante já que não temos conhecimento da “caixa preta” ou seja do funcionamento interno e complexo de nossos aparelhos.

Para entender os textos de Flusser devemos destacar 3 itens principais e seus significados segundo a definição feita pelo autor: Imagens são superfícies sobre as quais circula o olhar; aparelhos são brinquedos que funcionam com movimentos eternamente repetidos;e por fim,  programas são sistemas que recombinam constantemente os mesmos elementos.

As máquinas fotográficas são aparelhos geradores de signos que não produzem linguagem, apenas reproduzem uma linguagem ou um signo já existente e é por este motivo que Flusser classifica o homem como homem funcionário ou homem massa.

O homem massa apenas realiza aquilo que já está previsto pelo programa, algo já existente. Ele trabalha no âmbito da redundância e sem possibilidade de ser livre pois apenas obedece regras apertando corretamente os botões nos momentos previstos pelo sistema de forma robotizada.

Flusser define este processo como sendo o “chão do eterno retorno” pois o chamado homem funcionário continua progressivamente fazendo coisas previstas pelo sistema, retornando sempre ao mesmo lugar encontrando-se portanto em um círculo sem saída.

Nesse texto Flusser defende a idéia de que nós deveríamos seguir uma reta, onde nada se repete, tudo se cria, tudo se inova. Mas isso só é possivel com a subverção do sistema, que por sua vez só é possivel, neste caso, com o conhecimento da caixa preta da câmera fotográfica.

Podemos concluir por fim que Flusser tem como fundamento de sua tese, a idéia da liberdade do homem em relação ao aparelho e ao sistema. Devemos sair da posição de robos e o primeiro passo para sair dessa posição deplorável é reconhecer que vivemos nessa posição para que possamos agir e seguir em uma reta de progresso e liberdade.

Juliane Saraiva